02OUT

1º Oficina de Submissão de Artigos da Pará Research Medical Journal

Na oficina, os candidatos a submissão de artigos receberam informações de como evitar erros que tem sido comuns no momento da submissão desde falhas na redação do artigo, omissão de documentos obrigatórios, até a aprovação no comitê de ética, já que as pesquisas envolvem seres humanos”, esclareceu o Editor Chefe

http://www.santacasa.pa.gov.br/ensino/noticias/detalhe/?id=539

Pará Research Medical Journal
https://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2020.005
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Pediatria

Perfil das doenças ortopédicas na infância em um centro de referência em pediatria no estado do Pará

Profile of orthopedic diseases in childhood in a pediatric reference center in the state of Pará

Danielle Moreno Fernandes Furtado, Heruenna Castro da Silva Conceição, Lucas Motta Gadelha Silva, Tayana Nascimento da Silva, Diego Moreno Fernandes Furtado, Jonny Fabricio Moreira Lima

Downloads: 0
Views: 34

Resumo

Objetivo: descrever o perfil dos acometimentos musculoesqueléticos em crianças atendidas no ambulatório de Ortopedia Pediátrica em um hospital público de referência em atendimento materno-infantil no Estado do Pará. Método: Estudo primário, descritivo, transversal e observacional, com análise de prontuários dos pacientes atendidos no setor de ortopedia pediátrica, de Fevereiro a Novembro de 2018. Foram coletadas as variáveis: idade, sexo, residência, data do atendimento e diagnóstico. O estudo foi aprovado pelo comitê de ética sob protocolo de número 3.126.002. Resultados: Um total de 114 pacientes era do sexo masculino (52,3%), e 104 do feminino (47,7%). 146 (66,97%) pacientes eram provenientes da região metropolitana, e 72 (33,03%) de outros municípios do Estado. A idade variou entre 0 e 12 anos, com média de 3,56 anos. As alterações congênitas corresponderam a 77,07% dos casos, seguidas das adquiridas traumáticas (13,76%) e adquiridas não traumáticas (9,17%). Conclusão: Houve grande variedade de acometimentos musculoesqueléticos na população estudada. As afecções congênitas foram as mais prevalentes, devendo se atentar para sua prevenção, diagnóstico precoce e tratamento sempre que possível.

Palavras-chave

criança; deficiências do desenvolvimento; ortopedia; perfil de saúde; sistema musculoesquelético

Abstract

Purpose: Describe the profile of musculoskeletal disorders in children seen at the Pediatric Orthopedics outpatient clinic in a public maternal and child care reference hospital in the State of Pará. Methods: Primary, descriptive, cross-sectional and observational study, with analysis of medical records of patients seen in the pediatric orthopedics sector, from February to November 2018. The following variables were collected: age, sex, residence, care and diagnosis data. The study was approved by the ethics committee under protocol number 3,126,002. Results: A total of 114 patients were male (52.3%) and 104 female (47.7%). 146 (66.97%) patients were likely from the metropolitan region and 72 (33.03%) from other municipalities in the State. An age ranges from 0 to 12 years, with an average of 3.56 years. Congenital changes correspond to 77.07% of cases, followed by traumatic purchases (13.76%) and non-traumatic purchases (9.17%). Conclusion: There was a wide variety of musculoskeletal disorders in the population studied. As congenital disorders were the most prevalent, you should seek prevention, early diagnosis and treatment whenever possible.

Keywords

child; developmental deficiencies; orthopedics; health profile; musculoskeletal system.

Referências

1. Brasil. Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde – DATASUS. Nascimentos por ocorrência por ano do nascimento segundo tipo de anomalia congênita: período de 2010-2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

2. Rocha EST, Pedreira ACS. Problemas ortopédicos comuns na adolescência. J Pediatr. 2001;77(8):225-33. http://dx.doi.org/10.2223/JPED.310.

3. Martus JE, Otsuka NM, Kelly DM. What’s new in pediatric orthopaedics. J Bone Joint Surg Am. 2016;98(4):317-24. http://dx.doi.org/10.2106/JBJS.15.01236. PMid:26888682.

4. Magrini D, Dahab KS. Musculoskeletal overuse injuries in the pediatric population. Curr Sports Med Rep. 2016;15(6):392-9. http://dx.doi.org/10.1249/JSR.0000000000000303. PMid:27841810.

5. Belangero WD, Kotzias No A. Suplemento RBO Ortopedia Pediátrica. Rev Bras Ortop. 2010;45(Supl).

6. Cosme H, Lima L, Barbosa L. Prevalência de anomalias congênitas e fatores associados em recém-nascidos do município de São Paulo no período de 2010 a 2014. Rev Paul Pediatr. 2017;35(1):33-8. http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/;2017;35;1;00002. PMid:28977314.

7. Staheli LT. Ortopedia pediátrica na prática. Porto Alegre: Artmed; 2008.

8. Agarwal S. A prospective hospital based study of childhood orthopaedic problems: a case series. J Clin Diagn Res. 2014;8(12):1-3. http://dx.doi.org/10.7860/JCDR/2014/9979.5274. PMid:25653976.

9. Karam FC, Lopes MHI. Ortopedia: origem histórica, o ensino no Brasil e estudos metodológicos pelo mundo. Sci Med. 2005;15(2):172-178.

10. Camanho GL. A Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia faz 80 anos. Rev Bras Ortop. 2015;50(5):487-8. http://dx.doi.org/10.1016/j.rbo.2015.07.001. PMid:26535191.

11. Moraleda L, Castellote M. Motivos de derivación a una consulta ambulatoria de Traumatología Infantil. An Pediatr. 2015;83(2):89-93. http://dx.doi.org/10.1016/j.anpedi.2014.10.023. PMid:25547259.

12. Araujo DM, Segava NB, Paula FG, Vidal LC, Moraes JC, Almeida JM, et al. Perfil dos pacientes pediátricos avaliados pela residência multiprofissional em um hospital universitário. REFACS. 2015;3(3):221-7. http://dx.doi.org/10.18554/refacs.v3i3.1241.

13. Garnelo L, Lima JG, Rocha ESC, Herkrath FJ. Acesso e cobertura da Atenção Primária à Saúde para populações rurais e urbanas na região norte do Brasil. Saúde Debate. 2018;1(42):81-9. http://dx.doi.org/10.1590/0103-11042018s106.

14. Minghelli B, Marreiros N, Valente F, Ribeiro T, Andrez T, Varela E, et al. Desenvolvimento do arco plantar na infância e adolescência: análise plantar em escolas públicas. Saúde & Tecnologia. 2011;5(1):5-11.

15. Vicente E, Longen WC, Machado AM, Mondardo Jr A. Pé plano na infância: limites temporais entre o fisiológico e as disfunções locais e ascendentes. Rev Ped SOPERJ. 2016;3(16):15-20.

16. Ferreira AV, Gomes NS, Pissetti CW, Silva SR, Ruiz MT. Perfil epidemiológico dos nascidos vivos em Belo Horizonte, MG, Brasil. Rev Enf Centro-Oeste Mineiro. 2018;1(8):1-9.

17. Lucena EES, Lima NA, Silva CF, Santos MM, Fernandes TAAM. Perfil epidemiológico das malformações congênitas em recém-nascidos no estado do Rio Grande do Norte no Período de 2004 a 2011. Rev Bras Saúde. 2018;1(22):45-50.

18. Rodrigues L, Lima RHS, Costa LC, Batista RFL. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiol Serv Saude. 2014;23(2):295-304. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000200011.

19. Carvalho Jr LH, Cunha FM, Ferreira FS, Morato AEP, Rocha LHA, Medeiros RF. Lesões ortopédicas traumáticas em crianças e adolescentes. Rev Bras Ortop. 2000;35(3):80-7.

20. Jalalvandi F, Arasteh P, Faramani RS, Esmaeilivand M. Epidemiology of pediatric trauma and its patterns in western Iran: a hospital based experience. Glob J Health Sci. 2015;8(6):139-46. PMid:26755468.

21. Ataíde S, Bettencourt F, Cadete A, Prates L. Neonatal brachial plexus palsy: risk factors and its prognostic value. Acta Pediatr Port. 2019;1(50):32-6.

22. Madi JM, Morais EN, Tessari DT, Araújo BF, Zatti H, Carli MES, et al. Tocotraumatismo materno e fetal: experiência de um hospital universitário nível III. Rev AMRIGS. 2010;1(2):162-8.

23. Akangire G, Carter B. Birth injuries in neonates. Pediatr Rev. 2016;37(11):451-62. PMid:27803142.

24. Heise CO, Martins R, Siqueira M. Neonatal brachial plexus palsy: a permanent challenge. Arq Neuropsiquiatr. 2015;73(9):803-8. http://dx.doi.org/10.1590/0004-282X20150105. PMid:26352501.

25. Nassif KC, Arantes NF, Dezontini NF, Santos PA, Gomes PTC, Coelho PH, et al. Artrite séptica em pediatria. Rev Med Minas Gerais. 2009;19(2 Supl 3):39-45.

26. Montgomery NI, Epps HR. Pediatric septic arthritis. Orthop Clin North Am. 2017;48(2):209-16. http://dx.doi.org/10.1016/j.ocl.2016.12.008. PMid:28336043.

27. Kotzias No A, Oliveira MA, Stipp WN. Avaliação do tratamento da artrite séptica do quadril. Rev Bras Ortop. 2011;46(Supl 4):14-20. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162011001000004.


Submetido em:
20/08/2020

Aceito em:
21/09/2020

5faac9ae0e8825f82c8c5392 prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections