02OUT

1º Oficina de Submissão de Artigos da Pará Research Medical Journal

Na oficina, os candidatos a submissão de artigos receberam informações de como evitar erros que tem sido comuns no momento da submissão desde falhas na redação do artigo, omissão de documentos obrigatórios, até a aprovação no comitê de ética, já que as pesquisas envolvem seres humanos”, esclareceu o Editor Chefe

http://www.santacasa.pa.gov.br/ensino/noticias/detalhe/?id=539

Pará Research Medical Journal
https://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2019.016
Pará Research Medical Journal
Artigo Original Outros

Rede Cegonha e equipe multiprofissional no pré-natal e puerpério de Unidades Básicas de Saúde de Belém, Pará

Stork Network and multiprofessional team in the prenatal care and puerperium of Basic Health Units of Belém, Pará

Natalia Velia Silva Cei, Ana Paula Moreira Sales, Marina Rodrigues Lopes Pereira, Elaine Campos de Carvalho, Lilian Rose de Souza Mascarenhas, Tatiane Bahia do Vale Silva

Downloads: 7
Views: 907

Resumo

Objetivo: verificar o conhecimento de profissionais do pré-natal e fisioterapeutas vinculados às Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Belém sobre Rede Cegonha e Fisioterapia no ciclo gravídico-puerperal; identificar atividades com gestantes nestes locais; e definir o perfil destes profissionais. Método: é um estudo misto, observacional, descritivo, transversal, exploratório por análise de conteúdo. Foram realizadas entrevistas com 69 profissionais, gravadas após autorização destes, em oito UBS em Belém-PA. Utilizou-se um roteiro de entrevista, cujas perguntas abordaram o perfil demográfico e profissional; e o tema principal da pesquisa. Utilizando-se a análise temático-categorial de Bardin (1979), para dados qualitativos; e os testes Qui-quadrado e G (aderência) (p ≤ 0.05) e o software BioEstat 5.0 para dados quantitativos. Resultados: Entre os entrevistados, apenas 22,2% possuem especialização em Saúde Coletiva e 36,1% em Saúde Materno-infantil; evidenciou-se que a Rede Cegonha e a Fisioterapia no ciclo gravídico puerperal são pouco conhecidas entre os profissionais entrevistados, apesar de afirmarem conhecer a importância. Quanto aos grupos com gestantes, constatou-se que são multiprofissionais quando existentes. Conclusão: observou-se desconhecimento sobre Rede Cegonha pela maioria dos participantes, bem como somente uma pequena parcela demonstrou ter conhecimento acerca das possibilidades da Fisioterapia no ciclo gravídico-puerperal; há atuação constante da equipe multiprofissional com gestantes nas unidades; a maioria dos entrevistados eram mulheres, com idade média de 43,3 (± 9,4) anos e com mais de dez anos de atuação na Atenção Básica.

Palavras-chave

Equipe de Assistência ao Paciente; cuidado pré-natal; fisioterapia.

Abstract

Purpose: to verify the knowledge of prenatal professionals and physiotherapists linked to the Basic Health Units (BHU) of Belém about Stork Network and Physiotherapy in the pregnancy-puerperal cycle; identify activities with pregnant women in these places; and define the profile of these professionals. Methods: This is a mixed, observational, descriptive, cross-sectional, exploratory study by content analysis. Interviews were conducted with 69 professionals, recorded after their authorization, in eight BHU in Belém-PA. It was used an interview script, whose questions addressed the demographic and professional profile; and the main theme of the research. Using thematic-categorical analysis of Bardin (1979), for qualitative data; and Chi-square and G (adherence) tests (p ≤ 0.05) and BioEstat 5.0 software for quantitative data. Results: Among the respondents, only 22.2% have specialization in Collective Health and 36.1% in Maternal and Child Health; it was evident that the Stork Network and Physiotherapy in the puerperal pregnancy cycle are poorly known among the interviewed professionals, despite claiming to know the importance. As for the groups with pregnant women, they are multiprofessional when existing. Conclusion: there was lack of knowledge about Stork Network by most participants, as well as only a small portion showed knowledge about the possibilities of physiotherapy in the pregnancy-puerperal cycle; There is constant performance of the multiprofessional team with pregnant women in the units; Most of the interviewees were women, with an average age of 43.3 (± 9.4) years and with more than ten years of experience in Primary Care.

Keywords

Patient Care Team; prenatal care; physiotherapy

Referências

1. Universidade Federal do Maranhão. Redes de Atenção à Saúde: a atenção à saúde organizada em redes. São Luís: EDUFMA; 2016.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de Junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF; 24 jun 2011.

3. Pará. Secretaria de Estado de Saúde Pública. Plano de Ação para a Rede Cegonha do Estado do Pará 2011 – 2014. Belém: Secretaria de Estado de Saúde Pública; 2012. 159 p.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Oficina de Qualificação do NASF. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013. 318 p. (Cadernos de Atenção Básica, n° 32).

6. Miquelutti MA, Cecatti JG, Makuch MY. Developing strategies to be added to the protocol for antenatal care: An exercise and birth preparation program. Clinics (São Paulo). 2015 Apr;70(4):231-6. http://dx.doi.org/10.6061/clinics/2015(04)02. PMid:26017787.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

8. Bardin L. Análise de conteúdo. 70. ed. São Paulo: Persona; 1979.

9. Brito GEGB, Mendes ACG, Santos PM. No, Farias DN. Perfil dos trabalhadores da Estratégia Saúde da Família de uma capital do Nordeste brasileiro. Rev. APS. 2016 jul-set;19(3):434-45.

10. Costa SM, Prado MCM, Andrade TN, Araújo EPP, Silva Jr WS, Gomes ZC. Perfil do profissional de nível superior nas equipes da Estratégia Saúde da Família em Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013 abr-jun;8(27):90-6. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc8(27)530.

11. Gonçalves CR, Cruz MT, Oliveira MP, Morais AJD, Moreira KS, Rodrigues CAQ, et al. Recursos humanos: fator crítico para as redes de atenção à saúde. Saúde Debate. 2014 jan-mar;38(100):26-34.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de Dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF; 30 dez 2010.

13. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Implantação das Redes de Atenção à Saúde e outras estratégias da SAS. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2014. 160 p.

14. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 198/GM/MS, de 13 de fevereiro de 2004. Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF; 2004.

15. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa. Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Brasília: Ministério da Saúde; 2016. 230 p.

16.Brasil. Ministério Público de Pernambuco. Humanização do parto. Nasce o respeito: informações práticas sobre seus direitos. Recife: Procuradoria Geral de Justiça; 2015.

17. Silva RC, Soares MC, Jardim VMR, Kerber NPC, Meincke SMK. O discurso e a prática do parto humanizado de adolescentes. Texto Contexto Enferm. 2013 jul-set;22(3):629-36. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072013000300008.

18. Brondani JE, Aranda AL, Morin VL, Ferraz TL, Colomé CLM, Fedosse E. Percepções de gestantes e puérperas acerca da sala de espera em uma unidade básica de saúde integrada à estratégia saúde da família. Rev Bras Promoç Saúde. 2013 jan-mar;26(1):63-70. http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2013.p63.

19. Brasil. Presidência da República. Decreto-Lei N.º 5.452 de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF; 1943.

20. Cavalcante MVS, Lima TCS. A precarização do trabalho na atenção básica em saúde: relato de experiência. Argumentum. 2013 jan-jun;5(1):235-56. http://dx.doi.org/10.18315/argumentum.v5i1.3585.

21. Miquelutti MA, Cecatti JG, Makuch MY. Antenatal education and the birthing experience of Brazilian women: a qualitative study. BMC Pregnancy Childbirth. 2013;13(171):1-8. http://dx.doi.org/10.1186/1471-2393-13-171. PMid:24007540.

22. Van Kampen M, Devoogdt N, De Groef A, Gielen A, Geraerts I. The efficacy of physiotherapy for the prevention and treatment of prenatal symptoms: a systematic review. Int Urogynecol J Pelvic Floor Dysfunct. 2015 nov;26(11):1575-86. http://dx.doi.org/10.1007/s00192-015-2684-y. PMid:25822028.

23. Bavaresco GZ, Souza RSO, Almeica B, Sabatino JH, Dias M. O fisioterapeuta como profissional de suporte à parturiente. Cien Saude Colet. 2011 jul;16(7):3259-66. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800025. PMid:21808913.

24. Castro AS, Castro AC, Mendonça AC. Abordagem fisioterapêutica no pré-parto: proposta de protocolo e avaliação da dor. Fisioter Pesqui. 2012 jul-set;19(3):210-4. http://dx.doi.org/10.1590/S1809-29502012000300004.

25. Santana LS, Gallo RBS, Marcolin AC, Ferreira CHJ, Quintana SM. Utilização dos recursos fisioterapêuticos no puerpério: revisão da literatura. Femina. 2011 maio;39(5):245-50.

26. Chaudry S, Rashid F, Shah SIH. Effectiveness of core stabilization exercises along with postural correction in postpartum back pain. Rawal Med J. 2013 jan;38(3):256-9.

27. Johannessen HH, Wibe A, Stordahl A, Sandvik L, Mørkved S. Do pelvic floor muscle exercises reduce postpartum anal incontinence? A randomized controlled trial. Royal College of Obstetricians and Gynaecologists. 2016 June;124(4):686-94.

28. Baraldi NG, Praça NS. Práticas de cuidado do recém-nascido baseadas no contexto de vida da puérpera. Cienc Cuid Saude. 2013 abr-jun;12(2):282-9. http://dx.doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v12i2.19596.

29. Cardoso ND, Pereira AV. Práticas interdisciplinares de acolhimento, educação em saúde e avaliação pós-parto em grupos de puéperas. Rev. APS. 2010 out-dez;13(4):421.

30. Costa PHA, Mota DCB, Cruvinel E, Paiva FS, Ronzani TM. Metodologia de implementação de práticas preventivas ao uso de drogas na atenção primária latino-americana. Rev Panam Salud Publica. 2013;33(5):325-31. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49892013000500003. PMid:23764663.

5d9ce8030e88255923c12059 prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections