02OUT

1º Oficina de Submissão de Artigos da Pará Research Medical Journal

Na oficina, os candidatos a submissão de artigos receberam informações de como evitar erros que tem sido comuns no momento da submissão desde falhas na redação do artigo, omissão de documentos obrigatórios, até a aprovação no comitê de ética, já que as pesquisas envolvem seres humanos”, esclareceu o Editor Chefe

http://www.santacasa.pa.gov.br/ensino/noticias/detalhe/?id=539

Pará Research Medical Journal
https://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2019.014
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Interdisciplinar

Aspectos étnicos da mortalidade infantil: uma contribuição para a vigilância de óbitos na população indígena e não indígena no Pará

Aspects of infant mortality: a contribution to the promotion of deaths in the indigenous and non-indigenous population in Pará

Jéssica Janaina de Medeiros Bissi Teixeira, Deivid Ramos dos Santos, Mônica Souza Filho Moura Rocha, Silvana Cristina Rodrigues da Silva

Downloads: 1
Views: 109

Resumo

Objetivo: analisar a ocorrência da Mortalidade Infantil no estado do Pará, comparando as populações geral e população indígena. Método: estudo com abordagem quantitativa, analítica, retrospectiva, abrangendo uma série histórica do ano de 2011 até 2017. Para análise dos resultados, utilizou-se testes estatísticos não-paramétricos, Qui-quadrado e teste G, capazes de expressar associação estatística. Resultados: Foram notificados 15812 óbitos infantis no estado do Pará, correspondendo a Taxa de Mortalidade Infantil de 16,1 por mil nascidos vivos (NV) para a população geral e 15,5 por mil NV para os não indígenas e 39,7 por mil NV para indígenas. Foi identificado que algumas afecções originadas no período perinatal corresponderam a 70,0% (n=9667). Conclusão: Foi possível concluir que a mortalidade infantil ainda é um grave problema de saúde pública no Pará, sobretudo entre os povos indígenas os quais necessitam de maiores cuidados, tendo em vista que as taxas de mortalidade infantil apresentam-se muito superiores aos das populações não indígenas

Palavras-chave

mortalidade infantil; população indígena; vigilância em saúde.

Abstract

Purpose: To analyze the occurrence of Infant Mortality in the general population and indigenous population in the state of Pará. Methods: Study with a quantitative, analytical, retrospective approach, covering a historical series from 2011 to 2017. For the analysis of the results, we used non-parametric statistical tests, Chi-square and G test, processed in the program BioStat 5.0. Results: A total of 15812 infant deaths were reported in the state of Pará, corresponding to the Infant Mortality Rate of 16.1 per 1000 live births for the general population and 15.5 per 1000 live births for non-indians and 39.7 per 1000 live births for indigenous peoples. Affections originated in the perinatal period corresponded to 70.0% (n = 9667). Conclusion: infant mortality is still a serious public health problem in Pará, especially among indigenous peoples, who need greater care, since infant mortality rates are much higher than those of non-indigenous populations.

Keywords

infant mortality; indigenous population; health surveillance.

Referências

1. Gava C, Cardoso AM, Basta PC. Mortalidade infantil por cor ou raça em Rondônia, Amazônia Brasileira. Rev Saúde Púb. 2017;51(35):1-8.

2. Prestes EX, Mallol J, Solé D. Sibilância recorrente em lactentes no primeiro ano de vida em Belém (Pará, Brasil): prevalência e fatores de risco associados. Para Res Med J. 2019;3(2):e08.

3. França EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R. et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiologia. 2017;20(1 Supl):46-60.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informático do SUS. [Internet]. 2017. [citado em 2019 Abr 30]. SVS4 Dashboard − Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna. Disponível em: .

5. Coimbra CEA Jr, Santos RV. Saúde, minorias e desigualdade: algumas teias de inter-relações, com ênfase nos povos indígenas no Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2000; 5(1):125-32. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232000000100011.

6. Organización Panamericana de la Salud. Salud de los pueblos indígenas de las Américas. Rev Panam Salud Publica. 1998;3(4):278-84. http://dx.doi.org/10.1590/S1020-49891998000400019.

7. Sepúlveda J. 1993. La Salud de los Pueblos Indígenas en México. México: Secretaría de Salud, Instituto Nacional Indigenista.

8. Souza J. Mortalidade materna e desenvolvimento: a transição obstétrica no Brasil. Ciênc. Saúde Coletiva. 2013;15(1 Supl):11-3. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700058.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS [Internet]. Informações de Saúde (TABNET). Brasília: Ministério da Saúde; 2018 [cited 2019 Abr 17]. Available from: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02.

10. Santos DR, Nogueira LMV, Paiva BL, Rodrigues ILA, Oliveira LF, Valdas SP. Mortalidade materna na população indígena e não indígena no Pará: contribuição para a vigilância de óbitos. Esc Anna Nery. 2017;21(4):1-9. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0161.

11. Brasil. Ministério da Saúde. Uma análise da situação de saúde e a vigilância da saúde da mulher. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

12. Brasil. Objetivos de Desenvolvimento do Milênio: 3º Relatório Nacional de Acompanhamento [Internet]. Brasília: Ipea; 2007 [citado em 2019 Mai 11]. Disponível em: http://www.pnud.org.br/ODM.aspx.

13. United Nations. Sustainable Development Goals [Internet]. New York: United Nations; 2015 [cited 2017 jan 17]. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org

14. Brasil. Ministério da Saúde. Uma análise da situação e das doenças transmissiveis relacionadas à pobreza. Brasília Ministério da Saúde; 2014.

15. Chor D. Desigualdades em saúde no Brasil: é preciso ter raça. Cad Saúde Pública.2013;29(7):1272-5. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000700002.

16. Organização Mundial da Saúde. Relatório do fórum de mobilização pela redução da Mortalidade Materna, Infantil e Fetal [Internet]. Cuiabá: OMS; 2013 [citado em 2019 Mai 18] Disponível em: http://www.saude.mt.gov.br/arquivo/4599

17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População residente, segundo a situação do domicílio e condição de indígena – Brasil 1991/2010 [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2010 [cited 2015 Aug 9]. Available from: http://indigenas.ibge.gov.br/graficos-e-tabelas-2.html.

18. Lindam A, Johansson S, Stephansson O, Wikström A-K, Cnattingius S. High maternal body mass index in early pregnancy and risks of stillbirth and infant mortality: a population-based sibling study in sweden. Am J Epidemiol. 2016;184(2):98-105. http://dx.doi.org/10.1093/aje/kww046.

19. Mwaniki MK, Baya EJ, Mwangi PF, Sidebotham P. ‘Tweaking’ the model for understanding and preventing maternal and neonatal morbidity and mortality in Low Income Countries: “inserting new ideas into a timeless wine skin”. BMC Pregnancy Childbirth. 2016;16:14. http://dx.doi.org/10.1186/s12884-016-0803-5.

20. Ntambue AM, Malonga FK, Dramaix-Wilmet M, Ngatu RN, Donnen P. Better than nothing? maternal, newborn, and child health services and perinatal mortality, Lubumbashi, Democratic Republic of the Congo: a cohort study. BMC Pregnancy and Childbirth. 2016;16:89. http://dx.doi.org/10.1186/s12884-016-0879-y.

21. Reis LGC. Eventos adversos durante o trabalho de parto e o parto em serviços obstétricos: desenvolvimento e aplicação de método de detecção. [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2012.

22. Gastaud ALGS. A mortalidade materna e a mortalidade infantil em Mato Grosso do Sul, Brasil, de 2000 a 2002 [tese de doutorado]. Campo Grande (MS): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2007.

23. Ferreira MEV, Matsuo T, Souza RKT. Aspectos demográficos e mortalidade de populações indígenas do Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad Saude Publica. Mato Grosso do Sul, Brasil; 2011;27(12):2327-39.

24. Souza LG, Santos RV, Coimbra CEA Jr. Estrutura etária, natalidade e mortalidade do povo indígena Xavante de Mato Grosso, Amazônia, Brasil. Cien Saude Colet. 2010;15(1 Suppl):1465-73. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000700058. PMid:20640308.

25. Travassos C, Williams DR. The concept and measurement of race and their relationship to public health: a review focused on Brazil and the United States. Cad Saude Publica. 2004;20(3):660-78. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000300003. PMid:15263977.

26. Victora CG, Cesar JA. Saúde materno-infantil no Brasil: padrões de morbimortalidade e possíveis Intervenções. In: Rouquayrol MZ, Almeida Filho N. Epidemiologia e saúde. 6. ed. Rio de Janeiro: MEDSI; 2003. p. 415-68.

27. Victora CG, Matijasevich A, Silveira MF, Santos IS, Barros AJD, Barros FC. Socio-economic and ethnic group inequities in antenatal care quality in the public and private sector in Brazil. Health Policy Plan. 2010;25(4):253-61. http://dx.doi.org/10.1093/heapol/czp065. PMid:20123940.

28. Victora CG, Aquino EM, Carmo Leal M, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in Brazil: progress and challenges. Lancet. 2011;377(9780):1863-76. http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(11)60138-4. PMid:21561656.

5d5fe0390e88257527f2dbe6 prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections