02OUT

1º Oficina de Submissão de Artigos da Pará Research Medical Journal

Na oficina, os candidatos a submissão de artigos receberam informações de como evitar erros que tem sido comuns no momento da submissão desde falhas na redação do artigo, omissão de documentos obrigatórios, até a aprovação no comitê de ética, já que as pesquisas envolvem seres humanos”, esclareceu o Editor Chefe

http://www.santacasa.pa.gov.br/ensino/noticias/detalhe/?id=539

Pará Research Medical Journal
https://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2018.005
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Medicina

O perfil atual do estudante de Medicina e sua repercussão na vivência do curso

The current profile of the Medicine student and its repercussion in the experience of the course

Rhyan Meninea do Rego, Natália Alves Marques, Perla da Costa Monteiro, Céres Larissa Barbosa de Oliveira, Nara Alves de Almeida Lins, Cezar Augusto Muniz Caldas

Downloads: 8
Views: 1131

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil do estudante de Medicina e a sua repercussão na trajetória acadêmica. Método: Foi realizado um estudo transversal e descritivo através da aplicação de questionário a estudantes do curso de Medicina do segundo ao quinto semestre do curso, com coleta de dados no período de outubro de 2017 a fevereiro de 2018. Resultados: Participaram 154 alunos, sendo 50,6% do sexo masculino e com média de idade de 21,5±3,0 anos, observando-se que 30% considera seu desempenho regular e 37,5% moram em casa alugada ou cedida por terceiros, ao passo que a grande maioria mora distante da Universidade (61%), utiliza transporte público coletivo (70,1%) e relatam queixas relacionadas à má qualidade do sono (74,7%), bem como dificuldade em frequentar as aulas (39%). Destaca-se que 30,9% possui renda familiar de 1 a 3 salários mínimos, sendo que a maioria não exerce trabalho remunerado (94,2%). Conclusão: Conclui-se que as condições socioeconômicas já não são, universalmente, aquelas das classes mais altas da sociedade, o que pode ajudar a compreender as dificuldades enfrentadas por vários estudantes.

Palavras-chave

educação médica; classe social; fatores socioeconômicos; desempenho acadêmico.

Abstract

Purpose: To describe the medical student profile and its repercussion in the academic trajectory. Methods: A cross-sectional descriptive study was done, using a survey that medical students from the second to the fifth semester answered it. The data was collected from October 2017 to February 2018. Results: 154 students with the average age of 21.5±3.0 years old participated on the survey; 50.6% of them were men, 30% consider their achievement regular, 37.5% live in rented houses or lent by third parties, most of them live far from the university (61%) and use public transportation (74%), 39% report difficulties to attend the classes. We highlight that 30.9% are from families that their monthly revenue is 1 to 3 minimum salaries. Conclusion: We conclude that the socio-economic conditions today are not those of the highest classes of the society, what may help us to understand the difficulties faced by several students.

Keywords

education, medical; social class; socioeconomic factors; academic performance.

Referências

1. Ferreira RA, Peret Fo L, Goulart E, Valadão M. O estudante de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais: perfil e tendências. Rev Assoc Med Bras. 2000;46(3):224-31. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-42302000000300007. PMid:11070513.

2. Fiorotti KP, Rossoni RR, Miranda AE. Perfil do estudante de medicina da Universidade Federal do Espírito Santo, 2007. Rev Bras Educ Med. 2010;34(3):355-62. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000300004.

3. Bardagi MP, Hutz CS. “Não havia outra saída”: percepções de alunos evadidos sobre o abandono do curso superior. Psico-USF. 2009;14(1):95-105. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-82712009000100010.

4. Brasil. Relatório síntese dos resultados: ANASEM 2016 Avaliação Nacional Seriada dos Estudantes de Medicina. Brasília: INEP; 2016.

5. Chazan ACS, Campos MR. Qualidade de vida de estudantes de medicina medida pelo WHOQOL-bref-UERJ, 2010. Rev Bras Educ Med. 2013;37(3):376-84. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022013000300010.

6. Monteiro MRCC, Santos RPO, Silva CCB. Formação médica e concepção de saúde no internato de Medicina-UFPA. Anais CBMFC. 2013;12:1121.

7. Lima MCP, Domingues MS, Cerqueira ATAR. Prevalence and risk factors of common mental disorders among medical students. Rev Saude Publica. 2006;40(6):1035-41. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006000700011. PMid:17173160.

8. Bampi LNS, Baraldi S, Guilhem D, Araújo MP, Campos ACO. Qualidade de vida de estudantes de Medicina da Universidade de Brasília. Rev Bras Educ Med. 2013;37(2):217-25. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022013000200009.

9. Dini PS, Batista NA. Graduação e prática médica: expectativas e concepções de estudantes de Medicina do 1 ao 6 ano. Rev Bras Educ Med. 2004;28(3):198-203.

10. Scheffer M, Cassenote A, Guilloux AGA, Biancarelli A, Alonso Miotto B, Marcelino Mainardi G. Demografia Médica no Brasil 2018. São Paulo: FMUSP, CFM, Cremesp; 2018. 286 p.

11. Alves JGB, Tenório M, Anjos AG, Figueroa JN. Qualidade de vida em estudantes de Medicina no início e final do curso: avaliação pelo Whoqol-bref. Rev Bras Educ Med. 2010;34(1):91-6. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022010000100011.

12. Pereira FEL, Ribeiro RC, Oliveira LMS, Araujo Fo JL, Tabosa MNR, Gouveia Fo PS, et al. Correlatos da qualidade de vida com características de saúde e demográficas de estudantes de medicina. Rev Bras Qual Vida. 2017;9(3):1. http://dx.doi.org/10.3895/rbqv.v9n3.6747.

13. Almeida IMQ, Silva FA. Ingressantes no curso de Medicina de uma Instituição de Ensino Superior Pública. Revista Ciência e Estudos Acadêmicos de Medicina. 2017;1(8):10-9.

14. Franco AMP, Cunha S. Perfil socioeconômico dos graduandos da IFES. Brasília: Ipea; 2017.

15. Cardoso Fo FAB, Magalhães JF, Silva KML, Pereira ISSD. Perfil do estudante de Medicina da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), 2013. Rev Bras Educ Med. 2015;39(1):32-40. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v39n1e01092014.

16. Universidade Federal do Pará. Relatório de gestão da UFPA do exercício de 2017. Belém: UFPA; 2018.

17. Imperatori TK. A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. Serv Soc Soc. 2017;(129):285-303. http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.109.

18. Vargas MLF. Ensino superior, assistência estudantil e mercado de trabalho: um estudo com egressos da UFMG. Aval. Rev. Aval. Educ. Super. 2010;16(1):10518.

19. Aktekin M, Karaman T, Senol YY, Erdem S, Erengin H, Akaydin M. Anxiety, depression and stressful life events among medical students: a prospective study in Antalya, Turkey. Med Educ. 2001;35(1):12-7. http://dx.doi.org/10.1046/j.1365-2923.2001.00726.x. PMid:11123589.

20. Bezerra DS, Bonzi ARB, Bezerra ÁLA, Brito RASM, Pinto DS. O obscuro universo da Medicina: uma revisão integrativa da literatura. In: Anais do II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde; 2017; Campina Grande. Campina Grande: Realize; 2017.

21. Andrade JBC, Sampaio JJC, Farias LM, Melo LP, Sousa DP, Mendonça ALB, et al. Contexto de formação e sofrimento psíquico de estudantes de medicina. Rev Bras Educ Med. 2014;38(2):231-42. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-55022014000200010.

22. Guthrie E, Black D, Bagalkote H, Shaw C, Campbell M, Creed F. Psychological stress and burnout in medical students: a five-year prospective longitudinal study. J R Soc Med. 1998;91(5):237-43. http://dx.doi.org/10.1177/014107689809100502. PMid:9764076.

23. Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. IV Pesquisa do perfil sócioeconômico e cultural dos estudantes de graduação das instituições federais de ensino superior brasileiras 2014. Uberlândia: FONAPRACE; 2016.

24. D’Almeida D. Execuções mancham Belém de sangue. Mapa aponta áreas vermelhas; veja! Diário do Pará, Belém; 2018.

25. Lins AL, Magalhães ÁB. Qualidade do sono e sonolência diurna em estudantes de fisioterapia de uma instituição na Amazônia Brasileira. Journal of Health & Biological Sciences. 2017;5(3):241-6. http://dx.doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v5i3.1308.p241-246.2017.

26. Bardini R, Pereira TF, Sakae TM, Remor KVT. Prevalência de sonolência excessiva diurna e fatores associados em adolescentes universitários do sul catarinense. Arq Catarin Med. 2017;46(1):107-24.

27. Voderholzer U, Piosczyk H, Holz J, Feige B, Loessl B, Kopasz M, et al. The impact of increasing sleep restriction on cortisol and daytime sleepiness in adolescents. Neurosci Lett. 2012;507(2):161-6. http://dx.doi.org/10.1016/j.neulet.2011.12.014. PMid:22198375.

28. Eek F, Karlson B, Garde AH, Hansen ÅM, Ørbæk P. Cortisol, sleep, and recovery: some gender differences but no straight associations. Psychoneuroendocrinology. 2012;37(1):56-64. http://dx.doi.org/10.1016/j.psyneuen.2011.05.003. PMid:21641118.

29. Vilchez-Cornejo J, Quiñones-Laveriano D, Failoc-Rojas V, Acevedo-Villar T, Larico-Calla G, Mucching-Toscano S, et al. Salud mental y calidad de sueño en estudiantes de ocho facultades de medicina humana del Perú. Rev Chil Neuro-psiquiatr. 2016;54(4):272-81. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-92272016000400002.

30. Morgan HL, Petry AF, Licks PAK, Ballester AO, Teixeira KN, Dumith SC. Consumo de estimulantes cerebrais por estudantes de medicina de uma universidade do extremo sul do brasil: prevalência, motivação e efeitos percebidos. Rev Bras Educ Med. 2017;41(1):102-9. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v41n1rb20160035.

5d1cb6500e88257808b57a3e prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections