02OUT

1º Oficina de Submissão de Artigos da Pará Research Medical Journal

Na oficina, os candidatos a submissão de artigos receberam informações de como evitar erros que tem sido comuns no momento da submissão desde falhas na redação do artigo, omissão de documentos obrigatórios, até a aprovação no comitê de ética, já que as pesquisas envolvem seres humanos”, esclareceu o Editor Chefe

http://www.santacasa.pa.gov.br/ensino/noticias/detalhe/?id=539

Pará Research Medical Journal
https://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2018.002
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Saúde Coletiva

Condições de vida populacional e incidência de dengue no estado do Pará, Brasil

Population living conditions and incidence of dengue in the state of Pará, Brazil

Emanuele Cordeiro Chaves, Samara Viana Costa, Rute Leila dos Reis Flores, Arthur Carneiro Bernardes

Downloads: 1
Views: 691

Resumo

Objetivo: Analisar espacialmente a relação entre as condições de vida da população e sua relação com a incidência de dengue no Pará. Método: Trata-se de um estudo ecológico transversal, que teve como unidades de análise as Regiões de Integração do estado do Pará. A análise estatística foi realizada por meio das técnicas multivariadas análise fatorial e análise de correspondência. Resultados: De acordo com a classificação de risco, observa-se que 56 (42,75%) dos 143 municípios apresenta médio risco para dengue, destacando-se as Regiões de Integração do Araguaia, Guamá, Rio Capim e Tocantins. Os municípios com condição de vida ruim apresentaram baixa incidência de dengue, com probabilidade de 99,81%, enquanto que municípios com boa condição de vida geralmente possuem alta incidência de dengue, com probabilidade de 83,97%. Conclusão: Observou-se maior taxa de incidência de dengue nas regiões com melhores indicadores socioeconômicos.

Palavras-chave

dengue; condições sociais; análise espacial; epidemiologia.

Abstract

Purpose: To analyze spatially the relationship between the living conditions of the population and their relation with the incidence of dengue in Pará. Methods: This is an ecological crosssectional study, whose analysis units were the Integration Regions of the state of Pará. Statistical analysis was performed using multivariate factor analysis and correspondence analysis. Results: According to the risk classification, 56 (42.75%) of the 143 municipalities present a medium risk for dengue, especially the Integration Regions of Araguaia, Guamá, Rio Capim and Tocantins. Municipalities with poor living conditions had a low incidence of dengue, with a probability of 99.81%, while municipalities with good living conditions had a high incidence of dengue, with a probability of 83.97%. Conclusion: A higher incidence rate of dengue was observed in regions with better socioeconomic indicators.

Keywords

dengue; social conditions; spatial analysis; epidemiology

Referências

1. Viana DV, Ignotti E. A ocorrência de dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(2):240-56. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-790X2013000200002. PMid:24141998.

2. Green AM, Beatty PR, Hadjilaou A, Harris E. Innate immunity to dengue virus infection and subversion of antiviral responses. J Mol Biol. 2014;426(6):1148-60. http://dx.doi.org/10.1016/j.jmb.2013.11.023. PMid:24316047.

3. Silva IB, Mallmann DG, Vasconcelos EMR. Estratégias de combate à dengue através da educação em saúde: uma revisão integrativa. Saúde [Internet]. 2015;41(2):27-34 [citado em 2018 jan 8]. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/10955

4. Stanaway JD, Shepard DS, Undurraga EA, Halasa YA, Coffeng LE, Brady OL, et al. The global burden of dengue: an analysis from the global burden of disease study 2013. Lancet Infect Dis. 2016;16(6):712-23. http://dx.doi.org/10.1016/S1473-3099(16)00026-8. PMid:26874619.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2017 [citado em 2018 jan 11]. Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/abril/06/2017-002-Monitoramento-doscasos-dedengue--febre-de-chikungunya-e-febre-pelo-v--rus-Zika-ate-a-Semana-Epidemiologica-52--2016.pdf

6. Honorato T, Lapa PPA, Sales CMM, Reis-Santos B, Tristão-Sá R, Bertolde AI, et al. Análise espacial do risco de dengue no Espírito Santo, Brasil, 2010: uso de modelagem completamente Bayesiana. Rev Bras Epidemiol. 2014;17(Supl):150-9. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4503201400060013. PMid:25409645.

7. Rodrigues RJ, Pereira CH, Lima IA. Identificação dos focos de dengue com base em dados georreferenciados e de exclusão social. Tekhne e Logos [Internet]. 2016;7(2):98-107 [citado em 2018 jan 11]. Disponível em: www.fatecbt.edu.br/seer/index.php/tl/article/download/392/273

8. Castellanos P. Sistema Nacional de vigilância de la situación de salud segun condiciones de vida y del impacto de lãs acciones de Salud y bienestar. Washington: Organização Panamericana de la Salud; 1991.

9. Paim J. Abordagens teórico-conceituais em estudos de condição de vida e saúde: notas para reflexão e ação. In: Barata, RB. Condições de vida e situação de saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO; 1997.

10. Passos CA. Epidemiologia e sociedade: heterogeneidades estrutural e saúde no Brasil. São Paulo: Hucitec; 1989.

11. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pará [Internet]. 2017 [citado em 2017 mar 17]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/panorama

12. Pará. Casa Civil. Decreto Estadual nº 1.066, de 19 de junho de 2008. Dispõe sobre a regionalização do Estado do Pará e dá outras providências. Diário Oficial do Estado do Pará, Belém, PA; 2008 jun 20; nº 31.194.

13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Resultado da amostra do censo demográfico 2010 [Internet]. 2010 [citado em 2013 mar 18]. Disponível em https://censo2010.ibge.gov.br/

14. Brasil. Ministério da Saúde. Informações de Saúde (TABNET) [Internet]. 2018 [citado em 2013 maio 3]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=29878153

15. Rede Interagencial de Informações para a Saúde. Indicadores e dados básicos para a saúde 2007. Brasília: RIPSA; 2008.

16. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 580, de 22 de março de 2018. Diário Oficial da República Federativa do Brasil [Internet], Brasília, DF; 2018 [citado em 2018 dez 12]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso580.pdf

17. Villar JFC. Relação entre as variáveis sociais, econômicas e ambientais com o padrão da distribuição espaço-temporal dos casos de dengue por município no Brasil: de 2008 até 2012, utilizando o SOM [dissertação]. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa; 2015.

18. Chaves EC, Costa SV, Flores RLR, Neves EOS, Chaves EC, Costa SV, et al. Índice de carência social e hanseníase no estado do Pará em 2013: análise espacial. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(4):807-16. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742017000400012. PMid:29211144.

19. Belo RPN. Atuação de psicólogos em centros de referência de assistência social na região amazônica do Marajó [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2015.

20. Zara ALS, Santos SM, Fernandes-Oliveira ES, Carvalho RG, Coelho GE. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiol Serv Saude. 2016;25(2):391-404. PMid:27869956.

21. Vasconcelos PFC, Lima JWO, Rosa APAT, Timbó MJ, Rosa EST, Lima HR, et al. Epidemia de dengue em Fortaleza, Ceará: inquérito soroepidemiológico aleatório. Rev Saude Publica. 1998;32(5):447-54. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101998000500007. PMid:10030061.

22. Vasconcelos PFC, Lima JWO, Raposo ML, Rodrigues SG, Rosa JFST, Amorim SMC, et al. Inquérito soro-epidemiológico na Ilha de São Luís durante epidemia de dengue no Maranhão. Rev Soc Bras Med Trop. 1999;32(2):171-9. http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86821999000200009. PMid:10228368.

23. Mulligan K, Dixon J, Joanna Sinn C-L, Elliott SJ. Is a dengue a disease of poverty? A systematic review. Pathog Glob Health. 2015;109(1):10-8. http://dx.doi.org/10.1179/2047773214Y.0000000168. PMid:25546339.

24. Botelho NM, Reis ALM, Miranda JL, Margalho LP. Desenho de estudo: projetando o sucesso de um trabalho científico. Rev. Para. Med. 2015;29(3):117-8.

5cfa78790e8825091858d25c prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections