Pará Research Medical Journal
http://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2017.039
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Medicina

Estratégias de combate ao óbito materno no âmbito hospitalar

Strategies to combat maternal death in the hospital setting

Marília Gabriela Queiroz da Luz, Nara Macedo Botelho, Mariseth Carvalho de Andrade

Downloads: 0
Views: 98

Resumo

Introdução: a mortalidade materna representa ainda um grande problema para a saúde pública, muitas mortes obstétricas são evitáveis. Uma análise detalhada dos óbitos possibilita o desenvolvimento de intervenções adequadas para prevenir essas mortes. Objetivo: Comparar a tendência de óbitos maternos ocorridos em hospital de referência para gestação de alto risco antes e após a implementação de estratégias de combate à mortalidade materna. Método: buscou-se as seguintes variáveis: estratégias de combate à mortalidade materna, taxa e razão de mortalidade materna. Utilizou-se o teste do qui-quadrado tendência para identificar se houve aumento ou redução dos óbitos maternos no período antes e após as estratégias serem implantadas. Resultados: as estratégias encontradas foram: 1-elaborar protocolo assistencial; 2-divulgação e treinamento sobre o protocolo; 3- rede social para divulgar informações; 4- ferramentas para otimizar comunicação da equipe; 5- empoderar paciente e seu acompanhante; 6- não trocar pessoa destinada a um serviço; 7- detecção precoce da deteriorização da paciente; 8- criar time de resposta rápida; 9- otimizar a oferta de leitos; 10- plano terapêutico individualizado; 11- ações preventivas para reduzir quedas; 12- fomentar lavagem adequada das mãos. Observou-se tendência de aumento dos óbitos maternos no período anterior a implementação das estratégias, e tendência de redução após serem efetivadas, 2013-2016. Conclusão: de 2013 a 2016, quando as 12 estratégias descritas neste estudo foram implantadas houve tendência decrescente da mortalidade materna na instituição.

Palavras-chave

mortalidade materna; administração em saúde; segurança do paciente.

Abstract

Introduction: Maternal mortality still represents a major public health problem, many obstetric deaths are preventable. A detailed analysis of the deaths allows the development of appropriate interventions to prevent these deaths. Purpose : To compare the trend of the occurrence of maternal deaths in a reference hospital for high-risk pregnancy before and after the implementation of strategies to combat maternal mortality. Method: the following variables were analyzed: strategies to combat maternal mortality, maternal mortality rate and ratio. The chi-square test was used to identify whether there was increase or reduction of maternal deaths in the period before and after the strategies were implemented. Results: the strategies found were: 1-elaborate care protocol; 2-dissemination and training on the protocol; 3- social network to disseminate information; 4- tools to optimize team communication; 5- empower patient and her companion; 6- do not change a person assigned to a service; 7- early detection of patient deterioration; 8- create quick response team; 9- optimize the supply of beds; 10 - individualized therapeutic plan; 11 - preventive actions to reduce falls; 12- promote proper hand washing. There was a trend of increased maternal deaths in the period prior to the implementation of the strategies, and a tendency to reduce after they became effective, 2013-2016. Conclusion: from 2013 to 2016, when the 12 strategies described in this study were implemented, there was a decreasing trend in maternal mortality in the institution.

Keywords

maternal mortality; health management; patient safety.

Referências

1. ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços de Atenção Materna e Neonatal: Segurança e Qualidade. Série – Tecnologia em Serviços de Saúde. capítulo: A Mortalidade Materna e Neonatal no Brasil e no Mundo p. 11-14, 2014.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna. 3a ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2009

3. World Health Organization. Trends in maternal mortality: 1990-2015: estimates from WHO, UNICEF, UNFPA, World Bank Group and the United Nations Population Division: executive summary; 2016.

4. Santos, D.R. et al. Mortalidade materna na população indígena e não indígena no Pará: contribuição para a vigilância de óbitos. Escola Anna Nery. 2017;21(4):1-9.

5. United Nations. The Millennium Development Goals Report 2014 [Internet]. New York: United Nations; 2014 [citado em 2017 ago 30]. Disponível em: http://www.un.org/millenniumgoals.

6. Rodrigues NCP, Monteiro DL, Almeida AS, Barros MB, Pereira No A, O’Dwyer G, et al. Temporal and spatial evolution of maternal and neonatal mortality rates in Brazil, 1997–2012. J Pediatr (Rio J). 2016;92(6):567-73. http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2016.03.004. PMid:27234038.

7. Ennen CS, Satin AJ. Reducing adverse obstetrical outcomes through safety sciences [Internet]. 2014 [citado em: 2017 mai 5]. Disponível em: http://www.uptodate.com/contents/reducing-adverse-obstetrical-outcomes-through-safety-sciences.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS [Internet]. 2018 [citado em 2018 Jun 17]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS [Internet]. 2018 [citado em 2018 Jun 17]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/tabdata/LivroIDB/2edrev/c03.pdf.

10. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Investigação do Óbito Materno [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2012 [citado em 2018 jun 24]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2015/julho/13/3.d%20-%20Mortalidade%20 materna%20CIT%20versao%20final.pdf.

11. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual dos comitês de mortalidade materna. Capítulo 2: Mortalidade materna. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2007. p. 9-18.

12. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços de Atenção Materna e Neonatal: Segurança e Qualidade. Brasília: ANVISA; 2014. p 53-82. (Série Tecnologia em Serviços de Saúde)

13. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica do Óbito Materno. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. p. 1. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

14. National Patient Safety Agency. Root Cause Analysis Investigation training materials [Internet]. London: NHS UK; 2014 [citado em 2018 jun 03]. Disponível em: http://www.nrls.npsa.nhs.uk/resources/collections/root-cause-analysis/rca-training-course-overview/.

15. National Patient Safety Agency. Seven Steps to Patient Safety [Internet]. London: NHS UK; 2014 [citado em 2018 set 01]. Disponível em: http://www.nrls.npsa.nhs.uk/resources/collections/seven-steps-to-patient-safety/.

16. World Health Organization. World Alliance for Patient Safety [Internet] [citado em 2018 set 01]. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/worldalliance/en/.

17. Pereira, D.M.M. et al. Conhecimento e adesão às práticas de biossegurança em um hospital de referência materno infantil. Para Res Med J. 2017;1(3):e23. DOI: 10.4322/ prmj. 2017.023

5bb282850e8825e220bd3c08 prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections