Pará Research Medical Journal
http://prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2017.037
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Medicina

Descontinuidade no seguimento de pacientes atendidos em ambulatório de pneumologia em Belém do Pará

Discontinuity in the follow-up of patients served in pneumology ambulatory in Belém do Pará

José Tadeu Colares Monteiro, Ivalto Gonçalves Nascimento Junior, Monique Almeida Silva, Marília de Fátima Silva Pinheiro, Rafaela dos Santos Nascimento

Downloads: 2
Views: 182

Resumo

Objetivo: Identificar o perfil socio demográfico dos pacientes que descontinuaram o seguimento ambulatorial de pneumopatias e analisar variantes que podem influenciar na descontinuidade do seguimento dos mesmos. Materiais e Métodos: Trata se de um estudo transversal descritivo retrospectivo baseado em uma coleta de dados realizada através de questionário contendo variáveis sócio demográficas, prováveis diagnósticos, exames solicitados, intervenção terapêutica, encaminhamento para outras especialidades e comorbidades. Resultados: A prevalência da descontinuidade no seguimento ambulatorial de pneumologia ocorreu em mulheres, com idade acima de 50 anos, naturais de Belém, com procedência da Região Metropolitana. A asma foi a doença pulmonar mais presente entre os pacientes que abandonaram o seguimento ambulatorial. Houve prevalência significante de pacientes que referiram presença de outras comorbidades, sendo a Hipertensão Arterial e Diabetes Melitos as mais referidas entre as comorbidades dos pacientes. Conclusão: A adesão ao tratamento pode sofrer interferências de vários fatores, como os geográficos, financeiro, organizacionais e de informação. É necessário que os profissionais de saúde conheçam esses fatores para que possam planejar e implementar estratégias adequadas aos seus pacientes.

Palavras-chave

adesão à medicação; pneumopatias; perda de seguimento.

Abstract

Purpose: To identify the socio-demographic profile of patients who discontinued ambulatory follow-up of pneumopathies and to analyze variants that may influence discontinuation of follow-up. Materials and Methods: This is a retrospective descriptive cross-sectional study based on data collected through a questionnaire containing socio-demographic variables, probable diagnoses, requested tests, therapeutic intervention, referral to other specialties and comorbidities. Results: The prevalence of discontinuation in ambulatory follow-up of pneumology occurred in women, aged over 50 years old, from Belém, coming from the Metropolitan Region. Asthma was the most frequent pulmonary disease among patients who abandoned ambulatory follow-up. There was a significant prevalence of patients who reported presence of other comorbidities, with Hypertension and Diabetes Mellitus being the most frequent among the comorbidities reported by the patients. Conclusion: Adherence to treatment may be influenced by factors such as geographical, financial, organizational and information. Health professionals need to be aware of these factors so that they can plan and implement appropriate strategies for their patients.

Keywords

adherence to therapeutics; pneumopathies; abandonment of treatment.

Referências

1. Silveira LMC, Ribeiro VMB. Grupo de adhesión al tratamiento: espacio de “enseñanza” para profesionales de la salud y pacientes. Interface Comunicacao Saude Educ. 2005;9(16):91-104. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832005000100008.

2. Haynes RB. Interventions for helping patients to follow prescriptions for medications [Internet]. Cochrane Database of Systematic Reviews; 2001 [citado em 2014 nov 14]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/42682/1/9241545992.pdf.

3. Sackett DL, Haynes RB, Gibson ES, Taylor DW, Roberts RS, Johnson AL. Patient compliance with antihypertensive regimens. Patient Couns Health Educ. 1978;1(1):18-21. http://dx.doi.org/10.1016/S0738-3991(78)80033-0. PMid:10238880.

4. Paula AP. Aderência à terapêutica com antimicrobianos administrados por via oral em adultos com osteomielite [dissertação]. São Paulo: Programa de Ortopedia e Traumatologia, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2013.

5. World Health Organization. The World Health report 2002: reducing risks, promoting healthy life [Internet]. Geneva: WHO; 2002 [citado em 2014 nov 14]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/42682/1/9241545992.pdf

6. Lutosa MA, Alcaires J, Costa JC. Adesão do paciente ao tratamento no Hospital Geral. Rev SBPH [Internet]. 2011 [citado em 2016 jul 02];14(2):27-49. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582011000200004&lng=pt&nrm=iso

7. Chatkin JM, Cavalet-Blanco D, Scaglia NC, Tonietto RG, Wagner MB, Fritscher CC. Adesão ao tratamento de manutenção em asma (estudo ADERE). J Bras Pneumol. 2006;32(4):277-83. http://dx.doi.org/10.1590/S1806-37132006000400004. PMid:17268725.

8. Girotto E. (2008). Adesão ao tratamento anti-hipertensivo e fatores associados na área de abrangência de uma unidade de saúde da Família [dissertação]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

9. Remondi FA, Cabrera MAS, Souza RKT. Não adesão ao tratamento medicamentoso contínuo: prevalência e determinantes em adultos de 40 anos e mais. Cad Saude Publica. 2014;30(1):126-36. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00092613. PMid:24627020.

10. Siqueira BPJ, Teixeira JRB, Valença No PF, Boery EN, Boery RNSO, Vilela ABA. Men and health care in the social representations of health professionals. Esc Anna Nery. 2014;18(4):690-6. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140098.

11. Ribeiro ÍJS, Boery RNSO, Casotti CA, Freire IV, Teixeira JRB, Boery EN. Prevalência e fatores associados à adesão ao tratamento medicamentoso por pacientes com hipertensâo arterial. Revista Baiana de Enfermagem. 2015b;29(3):250-60. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v29i3.12920.

12. Beyth RJ, Shorr RS. Uso de medicamentos. In: Duthie EH, Katz PR. Geriatria prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Revinter Editora; 2002. p. 37-46.

13. Berger L. O consumo de medicamentos pelos idosos. In: Berger L, Poirier DM. Pessoas idosas - uma abordagem global. Lisboa: Lusodidacta; 1995. p. 439-63.

14. Rocha CH, Oliveira AP, Ferreira C, Faggiani FT, Schroeter G, Souza AC, et al. Adesão à prescrição médica em idosos de Porto Alegre, RS. Cien Saude Colet. 2008;13(Supl):703-10. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000700020. PMid:21936175.

15. Travassos C, Castro MSM. Determinantes e desigualdades sociais no acesso e na utilização de serviços de saúde. In: Giovanella L. Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2008. p. 215-46.

16. Goulart FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde [Internet]. Brasília: Organização Mundial da Saúde; 2011. [citado 2014 nov 14]. Disponível em: http://apsredes. org/site2012/wp-content/uploads/2012/06/Condicoes-Cronicas_flavio1.pdf

17. Malta DC, Moura L, Prado RR, Escalante JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saude. 2014;23(4):599-608. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000400002.

18. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Doenças respiratórias crônicas [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2010 [citado 2014 nov 14]. (Cadernos de Atenção Básica - Série A: Normas e Manuais Técnicos; 25). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf

19. World Health Organization. Global surveillance, prevention and control of chronic respiratory diseases: a comprehensive approach [Internet]. Geneva: WHO; 2007 [citado 2014 nov 14]. Disponível em: http://www.who.int/gard/ publications/GARD%20Book%202007.pdf

20. Tavares NUL, Bertoldi AD, Thumé E, Facchini LA, França GVA, Mengue SS. Fatores associados à baixa adesão ao tratamento medicamentoso em idosos. Rev Saude Publica. 2013;47(6):1090-101. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102013000901092. PMid:24626547.

21. Di Matteo MR. Variations in patients’ adherence to medical recommendations: a quantitative review of 50 years of research. Med Care. 2004;42(3):200-9. http://dx.doi.org/10.1097/01.mlr.0000114908.90348.f9. PMid:15076819.

22. Ferreira RA, Barreto SM, Giatti L. Hipertensão arterial referida e utilização de medicamentos de uso contínuo no Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saude Publica. 2014;30(4):815-26. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00160512. PMid:24896056.

23. Girotto E, Andrade SM, Cabrera MA, Matsuo T. Adesão ao tratamento farmacológico e não farmacológico e fatores associados na atenção primária da hipertensão arterial. Cien Saude Colet. 2013;18(6):1763-72. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000600027. PMid:23752542.

24. Remondi FA, Cabrera MAS, Souza RKT. Não adesão ao tratamento medicamentoso contínuo: prevalência e determinantes em adultos de 40 anos e mais. Cad Saude Publica. 2014;30(1):126-36. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00092613. PMid:24627020.

25. Santa-Helena ETD, Nemes MIB, Eluf No J. Fatores associados à não-adesão ao tratamento com anti-hipertensivos em pessoas atendidas em unidades de saúde da família. Cad Saude Publica. 2010;26(12):2389-98. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010001200017. PMid:21243233.

26. Mac Laughlin EJ, Raehl CL, Treadway AK, Sterling TL, Zoller DP, Bond CA. Assessing medication adherence in the elderly: which tools to use in clinical practice? Drugs Aging. 2005;22(3):231-55. http://dx.doi.org/10.2165/00002512-200522030-00005. PMid:15813656.

27. World Health Organization. Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva: WHO; 2003.

28. Pasche DF. Humanizar a formação para humanizar o SUS. In: Brasil. Política Nacional de Humanização. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. p. 63-72. (Cadernos HumanizaSUS; Vol. 1)

5ba2a2630e88254d72129738 prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections